Pe José Antunes

Estando para começar o “IV Festival Internacional de Música Religiosa de Guimarães”, é com enorme alegria, entusiasmo e expectativa, que a Direção Artística anseia por este momento. Sabemos que a Arte é o único veículo que nos une, nas nossas diferenças, na tolerância e na convivência pacífica, pois é só uma questão de sensibilidade, independentemente da cor, da raça, das crenças, que tanto necessitamos nos dias de hoje. Trabalhamos com a determinação de proporcionar aos Vimaranenses e a todos os que nos visitam nesta época Pascal, uma viagem pela Arte Sacra a todos os níveis. A Música, é levada às nossas igrejas, património valiosíssimo na nossa cidade. Neste ambiente de grandiosidade e beleza, queremos encontrar-nos com a música de todos os tempos, desde a mais antiga até à dos nossos dias e encontrar-vos a todos os homens e mulheres de boa vontade para senti-la e celebrá-la no seu maior esplendor.

Elisabete Matos e Augusto Alvarez
Direção Artística

O programa é o seguinte:

DOMINGO 14 — 21h30
“De lo Humano y lo Divino”
IGREJA DE S. SEBASTIÃO - DOMINICAS
PROGRAMA
De lo Humano y lo Divino
Un paseo estilístico por el Barroco Europeo
M. Locke (1621-1677)
Consorts of two parts 'For several friends'.
Suite n. 4,
Pavan, Almand, Courante, Ayre, Saraband, Jigg


J. Dowland (1563-1626) / J. Van Eyck (1590-
1657)
Pavane Lachrimae
Der Fluiten Lust-hof. 1644


G. Frescobaldi (1583-1643)
Cento Partite sopra Passacagli (1637). F. 2.29.
Toccate e partite d'intavolatura, Libro 1 (1637)


F. Couperin (1668-1733)
Neuvième concert. 'Ritratto dell'amore' Les Goûts
réunis. (1724)
Le charme (Gracieusement et gravement),
L'enjouement (Gayement), Les graces
(Courante françoise), Le je-ne-scay-quoy
(Gayement), La Vivacité, La noble fierté
(Sarabande, Gravement), La douceur
(amoreusement). L'et coetera ou Menuets.


J. S. Bach (1685-1750)
Sonata en re menor BWV 1017 (ca.1720)
Siciliano (Largo), Allegro, Adagio, Allegro.


FICHA ARTÍSTICA
Josep María Saperas – Flautas de pico
Ignasi Jordà – Cravo

 

 

"Toda a vida de Cristo foi um contínuo ensinamento: os seus silêncios, os seus milagres, os seus gestos, a sua oração, o seu amor ao homem,a  sua predileção pelos pequenos pelos pobres, a aceitação do sacrifício total na Cruz pela redenção do mundo, a Sua Ressurreição constituem a atuação da sua palavra e o cumprimento da Revelação". Catecismo da Igreja Católica – 561.

 

Muitas pessoas hoje em dia não sabem que existe uma diferença entre esses dois tempos litúrgicos. A Semana Santa e, principalmente, o Tríduo Pascal são os dois conjuntos de celebrações que antecedem a festa da Páscoa, onde se inicia o Tempo Pascal. Nesse post, falaremos um pouco sobre a diferença entre esses tempos e sobre as celebrações em cada um deles.

A Semana Santa é, na verdade, a última semana da Quaresma. Na verdade consiste nos dias que antecedem o Tríduo Pascal. Começa com a celebração do Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor.

Nesse dia, a Igreja recorda a entrada do Cristo em Jerusalém para realizar o seu mistério pascal.

Nas Missas celebradas nesse dia, comemora-se essa entrada de Jesus Cristo em Jerusalém. Antecedendo a celebração, há a benção dos ramos e a procissão, onde a Igreja saúda Nosso Senhor com “Hosanas ao Filho de David! Bendito o que vem em nome do Senhor! Jesus, rei de Israel, Hossana nas alturas!” (Mt 21,9). Essa Missa é marcada também com a leitura da Paixão da Paixão do Senhor.

Na Quinta-feira, a celebração que encerra a Semana Santa e, logicamente a Quaresma é a Missa do Crisma. Nessa Missa, celebrada na parte da manhã, cada Bispo concelebra com todos os padres de sua Diocese e são abençoados os santos óleos (o óleo do crisma, o óleo dos catecúmenos e o óleo dos enfermos . Durante a homilia dessa celebração, o Bispo exorta os sacerdotes à fidelidade aos seus ministérios e os convida a renovarem as promessas sacerdotais.

 

Nessa mesma Quinta-feira, na parte da tarde, dá-se início ao Tríduo Pascal com a celebração da Missa da Ceia do Senhor. Nesse dia, são celebrados os mistérios da instituição da Eucaristia e do sacerdócio e o mandamento do Senhor sobre o amor e a caridade fraterna. Faz parte da liturgia nesse dia o Rito do Lava-pés, onde o sacerdote repete o ato de Nosso Senhor na última ceia. Um fato interessante é como se essa celebração não tivesse um final. O sacerdote não dá a benção, convidando a todos à adoração eucarística, que pode se estender também à manhã da sexta-feira. A reserva eucarística é retirada do Sacrário nesse dia e guardada noutro local na igreja, voltando apenas após o fim do Tríduo Pascal.

No segundo dia do Tríduo Pascal, a Sexta-feira da Paixão do Senhor, temos a Celebração da Paixão do Senhor. Sempre na parte da tarde, por volta das quinze horas, a Igreja celebra o mistério de Jesus e sua humilhação e sacrifício na Cruz. Nesse dia, não há Celebração Eucarística, mas apenas a Comunhão, que é precedida da Liturgia da Palavra, com a leitura da Paixão do Senhor e da Adoração da Cruz.

Seguindo o último dia do Tríduo Pascal, o Sábado Santo também é um dia onde a Igreja não celebra nenhum Sacramento (exceto a Comunhão aos doentes) e permanece junto ao sepulcro do Senhor, meditando sua Paixão e morte.  Encerra-se, portanto, o Tríduo Pascal.

Nesse mesmo sábado, a partir do começo da noite e antes do amanhecer do Domingo, a Igreja entre em alegria plena. Começa então o Tempo Pascal com sua primeira celebração, a Vigília Pascal. Essa celebração consta de grandes quatro partes, sendo elas a Celebração da Luz, a Liturgia da Palavra, a Liturgia Batismal e a Liturgia Eucarística. Mesmo sendo celebrada na noite do sábado, vale ressaltar que a Missa da Vigília é a verdadeira Missa do Domingo de Páscoa e da Ressurreição do Senhor.

Para a Celebração da Luz, todos os fiéis devem permanecer com velas que serão acesas com o fogo novo do Círio Pascal. É então feita a Proclamação da Páscoa, que é um grande hino de louvor. Na Liturgia da Palavra,  recordámos então os principais relatos de todo plano da nossa salvação. Já na Liturgia Batismal, o sacerdote convida todos a lembrarem e renovarem as promessas batismais. Ao final da vigília, segue  a Liturgia Eucarística, que é realizada como nas demais Missas.

No Domingo de Páscoa e da Ressurreição do Senhor, a Igreja toda está em festa, tanto é que se inicia a Oitava de Páscoa. As oitavas são um período de oito dias em que se celebram as maiores festas litúrgicas. Daí segue-se o Tempo Pascal, que vai até a festa de Pentecostes.

Na nossa Unidade Pastoral teremos as seguintes celebrações na Igreja de São Sebastião

Domingo de Ramos(14 de Abril)

11:30-Benção dos Ramos e Eucaristia

Quinta-feira Santa (18 de Abril)

19:30Eucaristia da Ceia do Senhor

Sexta-feira Santa(19 de Abril)

15:00-Celebração da Paixão do Senhor

Sábado Santo(20 de Abril)

21:00-Solene Vigilia Pascal

Domingo de Páscoa (21 de Abril)

São Sebastião-Eucaristia às 8:00. (No fim saem os compassos).

e 19:30

São Paio-Eucaristia às 8:00 ( No fim saem os compassos) e 12:15 (no final dos Compassos)

sábado, 30 março 2019 16:43

Concerto de Páscoa

Sexta feira, dia 5 de Abril de 2019.

Local: Igreja de São Paio

Hora:21h00

Coro Vilancico da Sociedade Musical de Guimarães.

Entrada livre.

O Compasso Pascal nas nossas comunidades é uma tradição de muitos anos.

É uma manifestação de alegria dos cristãos pela vitória de Jesus sobre a morte. É o anúncio alegre e feliz deste acontecimento fundamental da nossa fé cristã.

Tem havido amigos e amigas que têm colaborado nesta actividade paroquial.

Mas quem quiser participar será bem acolhido(a) por todos.

E ainda que tenha enviado por sms ou email alguns convites para participar na Visita Pascal ninguém se sinta impedido de participar.

Somente teremos uma reunião para preparar o Compasso Pascal.

É no dia 10 de Abril de 2019, às 21h00, no Centro Paroquial de São Sebastião.

Até lá, se Deus quiser.

quinta, 21 março 2019 13:04

Missa da Catequese

Domingo, dia 24 de Março de 2019, às 11h30 teremos a Eucaristia da Catequese, na Igreja paroquial de São Sebastião.

Lembramos aos pais esta celebração até porque neste dia celebramos o dia do Pai que, liturgicamente celebrámos no dia 19 de Março, dia de São José.

Só com um trabalho de cooperação é possivel fazer algo para que os vossos filhos possam crescer no amor e na alegria.

Contamos convosco.