quinta, 22 dezembro 2016 01:17

Natal

Escrito por 

Do meu caro colega, Padre Carlos Lopes,  pároco  da Costa, partilho, com a devida vénia:

 

Um convite especial..."Como sabes, está a chegar novamente a data de meu aniversário.

Todos os anos fazem festa em minha honra e creio que este ano acontecerá a mesma coisa. Nestes dias as pessoas fazem muitas compras. A rádio e a televisão fazem centenas de anúncios. Por todo o lado não se fala de outra coisa a não ser dos preparativos para o grande dia.
É bom saber que pelo menos um dia por ano
algumas pessoas pensam um pouco em mim.
Como sabes, há muitos anos começaram a festejar o meu aniversário. No começo, pareciam compreender e agradecer o que fiz por eles, mas HOJE em dia, ninguém sabe por que razão o celebram. As pessoas se reúnem e se divertem muito, mas não sabem do que se trata...
Estou a lembrar-me do ano passado: ao chegar o dia do meu aniversário, fizeram uma grande festa em minha honra. Havia coisas deliciosas na mesa, tudo estava decorado e havia muitos presentes... mas sabes de uma coisa?
Não me convidaram! Eu era o convidado de honra e ninguém se lembrou de me convidar! A festa era para mim e quando chegou o grande dia, fecharam-me a porta na cara. Bem que eu queria partilhar a mesa com eles...
A verdade não me surpreendeu porque, nos últimos anos, muitos me fecham a porta. Como não me convidaram, ocorreu-me entrar sem fazer ruído. Entrei e fiquei num cantinho.
Estavam todos a brindar, alguns já estavam embriagados, a contar piadas, rindo, divertindo-se. Aí chegou um VELHO GORDO, VESTIDO DE VERMELHO, COM BARBA BRANCA E GRITANDO: HO! HO! HO!Parecia ter bebido demais... Deixou-se cair pesadamente numa cadeira e todos correram para ele dizendo: Pai Natal! Pai Natal! – como se a festa fosse para ele!
Quando chegou a meia-noite, todos começaram a abraçar-se. Eu estendi os meus braços esperando que alguém me abraçasse... Queres saber? Ninguém me abraçou.
De repente, todos começaram a entregar presentes. Um a um, os pacotes foram sendo abertos. Cheguei perto para ver se, por acaso, havia algum para mim – nada!
O que sentirias se no dia do teu aniversário todos se presenteassem e não te dessem nenhum presente?
Compreendi, então, que estava a mais na festa... Saí sem fazer barulho, fechei a porta, fui embora...
Cada ano que passa é pior: as pessoas só se lembram da ceia, dos presentes, das festas... De mim, ninguém se lembra.
Gostaria que, neste Natal, me permitisses entrar na tua vida, reconhecendo que há mais de dois mil anos vim ao mundo para te dar a minha vida na cruz e, assim, poder salvar-te... Hoje só quero que acredites nisso com todo o teu coração...
Vou dizer-te uma coisa. Já que muitos não me convidam para a festa que fazem, vou fazer a minha própria festa – uma festa grandiosa como ninguém jamais fez, uma festa espectacular! Estou nos últimos preparativos e a enviar os convites. Este é especial para ti. Só quero que me digas se queres vir: reservarei um lugar para ti e incluirei o teu nome na lista dos que confirmaram... Os que não aceitarem, ficarão de fora.
Prepara-te porque quando tudo estiver pronto, quando menos se esperar, darei a minha grande festa. Não te esqueças de enviar este convite também aos teus amigos...
SOMENTE PARA OS AMIGOS ESPECIAIS
Assim como tu és especial para mim, com certeza, há vários amigos que são especiais para ti. Desta maneira, vamos fazer uma festa com os “especiais”, afinal, “muitos serão os convidados mas poucos serão os escolhidos”, sabes por quê? Porque poucos aceitarão o CONVITE!

Um abraço

Jesus.